domingo, 12 de outubro de 2008

O comportamento das crianças e adolescentes na Internet

O vídeo a seguir mostra dados da pesquisa feita pela ONG SaferNet sobre o comportamento das crianças e adolescente na Internet e até que ponto eles estão expostos.



É muito difícil monitorar o comportamento dos filhos em relação a Internet, principalmente porque o conhecimento deles é na maioria das vezes superior ao dos pais.

O que precisa ficar claro é que as crianças precisam saber se defender e precisam entender que é uma questão de segurança. Assim como não falávamos com estranhos quando éramos crianças, na Internet não pode ser diferente.

Abs.
WP

6 comentários:

Paulo Roberto de S. (rec6) disse...

Olá Wilton!
O tema é atual é precisa ser discutido.
O risco é muito grande, mas acredito que experiências possam ser adicionadas a esta discussão.
O portal Safernet vem a ser divulgado num momento muito oportuno, devido à importância do assunto e pelo fato de que os pais, muitas vezes, envolvidos em problemas do dia a dia não percebem o que está acontecendo.

O link é o seguinte:
http://www.safernet.org.br

"Se meu pai ou minha mãe está ocupado vou procurar alguém que me ouça".
O principal é prestar atenção no que está acontecendo com o filho. Principalmente ouvir, porque nossa tendência é só falar e não ouvir. Assumir a responsabilidade, que em primeiro lugar, é nossa, pais e educadores.
As autoridades vão atender às nossas reinvidicações à medida em que exercemos nossa cidadania e exigirmos providências, inclusive responsabilizando o estado omisso quando desta omissão ocorrer dano. A Internet não pode continuar sendo "terra de ninguém" onde se pode tudo. O estado tem o poder de polícia para isto e existem ferramentas para tal. Não precisamos chegar ao extremo dos países totalitários, monitorando a vida das pessoas, mas nas figuras que caracterizam crime, ou que são contrárias à lei, o Estado tem o dever de agir preventivamente e não apenas quando o dano já aconteceu.
Do ponto da responsabilidade empresarial as limitações contratuais de uso não caracterizam censura, mas adesão a regras que interessam a todos.
Para amenizar um pouco, quanto às crianças menores o site abaixo ( do portal Terra )tem dicas de sites seguros:

http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI1984482-EI4802,00.html

Paulo
Atualizada em: Monday, 13 October, 2008 - 01:31
Atualizada em: Monday, 13 October, 2008 - 01:37

Paulo Roberto de S. (rec6) disse...

Esclarecendo melhor a posição acima, quero repetir que a responsabilidade em primeiro lugar é da família e em seguida dos educadores.
Além disso, a cobrança de atitude estatal, mesmo que não tenhamos o problema, ou já o tenhamos resolvido, é uma atitude de cidadania, pensando na coletividade.
Os empresários têm um papel social importante, por exemplo, adotando políticas de incentivo á navegação limpa, bem como doando recursos financeiros a ONGs comprovadamente empenhadas.
Todos precisam colaborar: Ongs, Escolas de todos os níveis, Meios de Comunicação, Sindicatos, Conselhos Profissionais, Associações Religiosas, Profissionais dos diversos ramos ligados á Internet, etc.
A discussão deve abranger além dos riscos psíquicos e de segurança, a questão do perigo de lesões de esforços repetitivos pelo excesso de digitação, danos decorrente de postura incorreta, sedentarismo e à própria visão da criança.

Paulo

Wilton Paulo da Silva disse...

Paulo,

Concordo plenamente, a responsabilidade é em primeiro lugar da família que deve buscar meios de educar e ficar atentos ao que os filhos estão fazendo.

Assim como as crianças não podem brincar na rua sem o acompanhamento dos pais, na internet não é diferente.

Abs.
Wilton Paulo.

Paulo Roberto de S. (rec6) disse...

Olá Wilton!

Apenas para ilustrar, três notícias publicadas na Internet recentemente:

Perigo de surdez por uso demorado de players de MP3:

http://br.noticias.yahoo.com/s/reuters/081013/tecnologia/internet_tech_europa_mptres


Pais são condenados por ofensas dos filhos no Orkut:

http://www.conjur.com.br/static/text/70040,1


Um artigo muito interessante: Pais que brincam por 30 minutos ao dia têm filhos mais seguros e saudáveis:

http://gazetaonline.globo.com/index.php?id=/local/minuto_a_minuto/nacional/materia.php&cd_matia=24705

Abraço

Paulo

cristielle disse...

Acho que o brasil tem capacidade sim de avançar na cultura por ex:livros, de historias e etc....
O brasil é um pais rico, que conserteza pode levar o Brasil e as crianças, a um mundo melhor isso eu tenho certeza.
MÂES QUE NÂO MALTRATAM OS FILHOS
Mudando de assunto, muitas pessoas falam que a mãe que são as cupadas, mas aí esta o caso a mãe faz a parte dela de botar o filho na escola. O filho tambem tem que fazer a parte dele estudando e ajudando tambem o meio ambiente, porque se o mundo tiver poluido daqui uns 10 anos vamos faltar oxigênio no futuro podemos acabar morrendo por falta de ar limpo(oxigênio limpo).
MÂES QUE MALTRATAM OS FILHOS
Mãe, pensar em ser mãe é facíl e na hora de criar na hora que a criança nasce aí a criança não tem culpa e acaba sendo maltratados sem terem culpa de nada ele não escolheram nascerem e sim a mãe deu um destino a eles.
A INTERNET?
Em quanto a criança esta no quarto sozinha a mãe não sabe o que o filho esta fazendo ele pode ta conversando com um pedófolu pelo orkut.

Anônimo disse...

È mesmo , concordo com vocês aí de cima

Postar um comentário

Gostou do artigo? Então deixe um comentário !!!